segunda-feira, 30 de maio de 2011

Cajón del Maipo - Nos pés da Cordilheira

Buenas! 

   Aqui les escribe una persona feliz! Passei um fim de semana lindo em Cajón del Maipo, que é uma região aos pés da imponente Cordilheira dos Andes e está a mais ou menos 1 hora de Santiago. Vou contar como foi:

   Cajón del Maipo é uma área de lazer para camping, trekkings, termas, e desfrutar a natureza. A cidade principal da região é San Jose del Maipo, onde dizem que moram muitas pessoas "loucas" por conta da forte energia atrativa que a Cordilheira tem sobre essa gente (será que conta os que vão passar o fim de semana?). Enfim, a cidade é bem simpatiquinha, mas não deu tempo de tirar muitas fotos porque já estávamos atrasados pra chegar na cabana que tínhamos reservado "un poco más allá" do povoado. 

   Chegamos na cabana, chamada "Parque del Água", com animação total. Descarregamos as coisas e demos uma caminhada para ver os arredores. Tinha piscina, e mais abaixo o Rio Maipo. Nenhum de nós foi louco o suficiente para querer tomar banho gelado em qualquer destes dois, mas era bonito olhar. No sábado, como chegamos já enquanto anoitecia, ficamos na cabana mesmo. Fizemos um assado (dessa vez, juro, estava uma delícia. Digo isso porque já tivemos algumas experiências traumáticas com carnes aqui...), e depois ficamos jogando conversa fora até altas horas. 

 San Jose del Maipo (a foto não diz nada mas vale a intenção) 

Angela feliz na cabana

Fora da cabana

Cabana

 
Carne boa, foto ruim

Gente boa, foto ruim

   No domingo, acordamos cedo para ir às termas. Saímos empolgados, o caminho até lá é lindo (aqui quase tudo é lindo). Paramos comer uma empanada de queijo muuuiiiito gostosa, feita no forno à lenha (nos nossos passeios sempre tem o momento comida, sim) e esperar o resto da turma que tinha ido comprar roupa de banho (e não encontrou). Chegamos perto de ver neve, mas ainda não foi dessa vez. No fim, depois de 1 hora saltitando na estrada de chão, surpresa: o valor da entrada nas termas era muito caro, e como boas estudantes estrangeiras, eu e minha amiga Angela não tínhamos dinheiro sobrando. Então, novamente: era bonito olhar. Para fingir que aproveitamos a água, tiramos foto em um laguinho que tinha por ali mesmo (ninguém precisa saber que era gelado). 

Eu no laguinho

Cajón del Maipo e os cabritos

Eu, Angela e os cabritos

Empanadas

Eu e Angela

Algum povoado de Cajón del Maipo


   Meia volta, volver. Fizemos um pouco mais de turismo de carro pelas estradinhas nas montanhas, e voltamos à cabana para fazer um almoço que foi muito bem aproveitado, antes de voltar para Santiago. 

   Prometo que voltarei lá com dinheiro sobrando, e tirarei fotos das termas pra mostrar pra vocês. Por enquanto vai uma tirada da internet pra vocês verem o que nós perdemos: 

Baños Colina


O que importou nesse passeio foram as ótimas companhias que tivemos, os momentos divertidos que vivemos ali, e a energia tranquila e renovadora que nos envolveu nesses dois dias. Energia de morro, de mato. Clima de casa. Saudades!

Angela no rio



Queridos!


Obrigada Sami, Juan, Sebastián, Angela e Ingrid. 
Obrigada a quem acompanha o blog. 

Beijos!  

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Vega Central: una inspiración de gente de esfuerzo

  
 Andando por la Vega Central para hacer este trabajo, me encontré con un hombre que me dijo: “Hola señorita, tú no quieres sacar una foto de un bufalo?”. Yo lo miré y dije: “¿Como?”. Él me contestó: “Mira, saca una foto de este hombre.” Y me mostró su compañero de trabajo. Yo saqué una foto de él, que me preguntó: “Tú trabajas para National Geographic? Discovery Channel? Quiero mis derechos de imagen!”

 El bufalo

   Tanto los productos como las personas que trabajan en la Vega Central tienen nombres muy característicos que representan el origen criollo y picaron de Santiago. El guatón, el Cara de Laucha, la señora Treme son algunos de ellos. Todos con tradiciones de familia, llevan años con sus humildes negocios que por generaciones transmiten ese espíritu cercano y amable con algún turista y curioso. Los precios son los más baratos de Santiago. Desde ahí se reparten a la mayoría de restaurantes famosos y supermercados. En la Vega, llegan empresas de extranjeros y chilenos, como la Bicicleta Verde, de turismo sustentable sobre dos ruedas que enseña la realidad de este hermoso lugar, ofreciendo a sus clientes de todas partes del mundo el clásico Mote Con Huesillo. 



   Un perro me mira de reojo quizás sepa que soy brasilera porque me giña su ojo derecho. Ellos tienen autoridad sobre los sacos de papa , sobre la caja de tomates.  Los pequeños gatos vigilan mientras un grupo de perros duerme una pequeña siesta al calor de sol mañanero de un frío otoño santiaguino.



   Este es el espíritu divertido y simpático de la gente que trabaja en la Vega Central. Son centenas de personas que despiertan muy temprano todos los días, con ánimo para arreglar sus diversos productos de la forma que les parece más representativa a sus clientes. Sus proveedores llegan a las 5 de la mañana con camiones cargados.  Con el mismo ánimo, personas de todo el mundo caminan entre las tiendas buscando una  rica carne estofada para el almuerzo, una buena fruta para hacer un postre, o sólo conociendo este lugar que representa tanto lo que es Chile y su gente de esfuerzo.

  



____________________

Texto que fiz para um trabalho de Fotojornalismo na Faculdade aqui! Vamos ver quem consegue entender. hehe

Beijos! Saudades. 


quarta-feira, 18 de maio de 2011

Santiago de Chile



Hola Chicos y Chicas! Minha vez de postar aqui no blog! (Gerusa)

Bom, hoje vou falar pra vocês um pouco sobre a cidade que a gente vive aqui no Chile, a grande Santiago, capital e centro cultural, administrativo, industrial e financeiro do país. É a sétima cidade mais habitada da América Latina. Fundada pelo conquistador espanhol Pedro de Valdivia, no dia 12 de fevereiro de 1541. Santiago é cercada a leste pela imponente Cordilheira dos Andes. No ano de 2011 foi considerada pela New York Times como destino turístico número um para se visitar em 2011. (Vem pra cá galera! Hahaha...)

Com calma vamos apresentar para vocês aqui no blog, os pontos mais importantes e mais visitados da cidade. Hoje apresento o Palácio La Moneda, a Plaza de Armas e os Cerros San Cristóbal e Santa Lucía.

O Palácio de La Moneda é a sede da Presidência da República do Chile. Também abriga o Ministério do Interior, a Secretaria Geral da Presidência e a Secretaria Geral do Governo. Está localizado no centro de Santiago, ladeado por duas praças. Ao sul, a praça da Cidadania. Ao norte, a Praça da Constituição. Junto com o palácio está o Centro Cultural Palacio La Moneda que oferece ao público um patrimônio visual e audiovisual nacional e internacional, com exposições de arte, lojas de artesanatos e muito mais.



...

A Plaza de Armas é ponto de referencia de Santiago, não apenas geográfico mas também histórico, político, religioso e social. Foi a partir dela que a cidade se expandiu, após sua fundação. Na Praza de Armas esta o Correio Central, a Iglesia Mayor (Catedral) que possui uma arquitetura maravilhosa em estilo barroco, rica em detalhes, com vitrais, esculturas, imagens e altares magníficos. Também na Plaza esta o Museo Histórico Nacional que mostra a história do país desde o período pré-colombiano até o golpe de estado de 1973. A Plaza de Armas é ponto de encontro de turistas, trabalhadores em horário de intervalo, estudantes, aposentados e pessoas que circulam pelo centro da cidade. Também aí se concentram muitos artistas de rua, músicos, e vendedores ambulantes. Uma das coisas que chama muito a atenção é o contraste evidente das construções antigas com os modernos edifícios espelhados construídos lado a lado.

Iglesia Mayor (Catedral)

Las chicas brasileñas: Patrícia, Ana, Eu e Angela (faltou a Ísis)

Interior da Catedral

Virgen Del Carmem

...

O Cerro San Cristóbal é um morro com 300 metros de altura, localizado em um dos maiores parques urbanos do mundo, o Parque Metropolitano, com muita área verde e outros atrativos como o Jardim Zoológico. No topo do Cerro está a respeitada Estatua de La Virgen, com 36 metros de altura, construída em 1908. Há varias formas para subir o Cerro, pode ser por Funicular (que é um trenzinho puxado por um cabo de aço), por teleférico, a pé, de bicicleta ou de táxi. A vista da cidade e da cordilheira lá de cima é esplendida e realmente emocionante.


Cordilheira dos Andes



...

O Cerro Santa Lucía está bem no centro de Santiago. A vista do topo para a cidade e para os Andes também é linda. Este lugar é um grande marco histórico, pois em 13 de Dezembro de 1541, dia de Santa Lucia, Pedro de Valdivia e seus companheiros espanhóis conquistaram o cerro, montando seu primeiro acampamento, que posteriormente daria início à cidade de Santiago. O Cerro é rodeado por um agradável parque com fontes, árvores e muito verde. Muitas pessoas passam seu tempo livre deitadas na grama desses parques, namorando, brincando com seus filhos, ou simplesmente relaxando um minuto em seus dias tumultuados na cidade grande.




...

Espero que tenham gostado de conhecer um pedacinho de Santiago, aos poucos vamos apresentando outros lugares legais aqui ‘Do Outro Lado da Cordilheira’ !

Obrigada pelas visitas! Um beijo, MUITA SAUDADE!

fonte: Guia, O viajante CHILE; Zizo Aznis e Viajantes

sexta-feira, 13 de maio de 2011

Atacama - Chile (Terceira Parte)

Olá pessoal.

Depois de quebrar a cabeça pra saber que diabos aconteceu com o post do segundo dia da viagem ao Atacama, encontrei o motivo: 



"We’ve started restoring the posts that were temporarily removed and expect Blogger to be back to normal soon.


Eles apagaram os posts da quarta-feira para fazer manutenção, mas estão reabilitando-os. Então, quem ainda não leu, por favor espere que vai reaparecer! haha 

Vamos agora aos últimos dias da nossa aventura.

O terceiro e o quarto dias da viagem foram um pouco difíceis pra nós. Pra mim, porque estava com uma amigdalite feia, que ficou pior com o ar seco de lá. Para a Ge, porque já não aguentava mais eu reclamando perto dela. hahaha 
Mas... mesmo assim foi ótimo e participamos de todos os passeios, vamos lá:

   No terceiro dia, acordamos antes das galinhas, às 03h30 da madrugada de domingo, para ir aos Geyseres del Tatio. Motivo do horário: o geyser é um fenômeno natural que acontece por conta da alteração de temperatura. A água muito quente de dentro da terra entra em contato com o ar muito frio de fora, e condensa, formando fumaça. Por isso, este fenômeno acontece entre 04h e 10 horas da manhã, que é o momento em que o ar está mais frio. O que isso significa: nós também passamos frio. MUITO FRIO. Chegamos a pegar -15ºC lá! Brrrr..... 
   Os Geyseres del Tatio estão a 4257m de altitude. Nas montanhas ao redor, era possível ver um pouquinho de neve mais de perto (nada muito significativo, mas tinha). O lugar tem esse nome pois, olhando a forma da montanha, se pode perceber a figura de um senhor deitado, repousando. Na língua atacamenha, "avô" é "tata". Por isso, Geyseres del Tatio (façam as relações necessárias para entender. haha). 
   Bom, o negócio é incrível mesmo. As águas que saem da terra estão fervendo a 85ºC, por conta da grande quantidade de mineirais que possuem. Por isso, não é aconselhável querer colocar o dedinho na água falando "olha que legal!" e voltar sem dedo. É melhor só apreciar.  



 Veremos quem encontra o "tata" aí...





 Frio. Frio. Frio!


 FFFFFRrrrrrrrrrriiiiiiiioooooooo!

   Já perto das 10 horas, fomos tomar nosso café da manhã em um lugar um pouquinho mais afastado, mas ainda lá nos Geyseres, diante de uma paisagem montanhosa linda (todas as paisagens são sempre lindas). Eu estava um pouco enjoada pela altitude e pela amigdalite, mas não esqueço o gosto daquele sanduiche. Que momento bom! 

 Mesa improvisada (estas são algumas das pessoas do grupo)

A vista que tínhamos do café

   Depois, a Ge participou de uma caminhada ali pelos arredores para ver alguns animais silvestres. Eis o que encontraram: 


 Que fofuras :)

   Com a barriga cheia, fomos rumo ao último passeio do dia: as piscinas termais que estão ali mesmo, nos Geyseres. Aí foi o momento da galera se soltar, tirar a roupa (epa....) e se esquentar um pouquinho. Nada de muito especial, só a água mesmo, pois nem banheiro pra se trocar tinha ali. hahaha 

Momentos antes do clima "piscinão"

  Voltando para casa, surpresa (quantas nessa viagem...): as paisagens que perdemos na ida para os Geyseres, pois era noite, são lindas. Encontramos lhamas, alpacas, o pequeno povo de Machuca...



 



  Já no quarto e último dia da viagem, depois de descansar bem, saímos às 9h30 da manhã para visitar a Laguna Cejar, que na verdade são 3 lagos. Além do visual lindo, da água límpida que refletia fielmente o intenso azul do céu, aqueles lagos guardam outro segredo: são tão salgados que é impossível afundar. E foi comprovado! O pessoal se fez de corajoso e entrou na água gelada, e todos eles saíram boiando igual pau seco (pra não falar outra coisa... hahahahahaha). 





Grupo Santiago Exchange!

 Depois, fomos aos Ojos del Salar - nome que se entende quando se vê o que é: dois buracos cheios de água no meio do deserto. Também teve gente corajosa que tomou banho na água gelada, mas nessa é possível afundar. 



   O último lugar que visitamos foi incrível: o Salar de Tebinquinche. Maravilhosamente branco, tão branco que doem os olhos. Foi aí que a galera soltou a criatividade nas fotos - teve de tudo que se possa imaginar. 
   Ali mesmo, fizemos um pequeno aperitivo com frutas, suco, amendoim, etc. e aproveitamos o momento. 

 Sal

 Salar

Sim, sempre felizes.

   Voltamos ao hostel, descansamos, arrumamos as coisas e.. hora de partir :( . A saudade começou a bater antes mesmo de sair do hostel. Nos despedimos dos simpáticos guias e fomos de volta à Calama. Ficamos 2 horas esperando no aeroporto, pois nosso voo saía só às 10h30 da noite. 
   Enfim, chegamos em Santiago à meia noite do mesmo dia, cansadíssimas e com um sentimento enorme de que valeu muito a pena. Jamais vamos esquecer deste outro mundo que é o Atacama. 

Espero que tenham gostado dessa pequena viagem que vocês também puderam fazer. Estamos realmente muito felizes em saber que há gente nos acompanhando de casa! Temos saudades de todos. 

A partir de agora, vamos dividir com vocês tudo o que descobrimos aqui no Chile. Um lugar que está tão perto de nós, mas que também é tão diferente.